(49) 3323 3102
simec@simeconline.org.br
Notícias
Simec
Seja um
Associado

Notícias

Postado em 12 de Fevereiro de 2016 às 17h23

Cenário requer menor endividamento, privatizações e ajuste da máquina pública

SIMEC - Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e do Material Elétrico de Chapecó/SC     Reduzir o endividamento público por meio de privatizações, acelerar o processo de concessões na área...

    Reduzir o endividamento público por meio de privatizações, acelerar o processo de concessões na área de infraestrutura, reformar as previdências pública e privada e implementar um profundo ajuste fiscal, com enxugamento da máquina pública. Essas são alternativas para a recuperação da economia brasileira, apresentadas pelo economista e empresário Carlos José Martinelli. Ele falou em palestra organizada nesta quinta-feira, 11 de fevereiro, pelo Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e do Material Elétrico de Chapecó (Simec), para os empresários do setor.
    Ao falar sobre o tema “Cenário econômico para 2016”, Martinelli, que é vice-presidente do Simec e foi presidente na gestão passada e atuou como professor universitário, citou aspectos como a indefinição quanto ao impeachment da presidente da República, os desdobramentos que a Operação Lava-jato pode ocasionar, a produção em baixa e o desemprego. Também indicou o clima existente em termos de incerteza e redução do consumo, os reflexos da realização das eleições municipais, a recessão e inflação em queda e o alto endividamento público, na faixa de R$ 3,95 trilhões.
  Quanto aos indicadores possíveis para este ano, o palestrante indicou a perspectiva de inflação de 6,5%, o aumento de 1% na atividade produtiva, o desemprego em 9%, a queda de 1,2% no PIB, a taxa Selic em 12,2% e o dólar cotado entre R$ 3,80 e R$ 4,10. Como agravantes, internacionalmente, fez referência à desaceleração da economia chinesa e ao preço em queda de commodities como minérios, petróleo e grãos.

   Ideologia emperra
  Antes de abordar o cenário econômico, Carlos Martinelli lamentou que modelos político-ideológicos contribuam para emperrar o desenvolvimento brasileiro. Também lamentou que em 2010 o governo federal não tenha adotado medidas para diminuir o estímulo ao consumo e às linhas de crédito, “deixando que o próprio mercado se adequasse”.
   Para se chegar à situação atual, o economista lembrou fatores existentes em 2010, como a desaceleração internacional, a mudança no modelo econômico brasileiro, com intensificação de medidas populistas de estímulo ao consumo, o excessivo tamanho do Estado, a desvalorização e a menor demanda mundial das commodities. Também referiu-se ao descaso com o dinheiro público, à recessão e retomada da inflação, que coroem o poder de compra e reduzem o consumo, e à falta da reforma política.
   O economista e empresário fez alusão, ainda, ao endividamento de 54% da popula-ção, à retração da produção industrial no ano passado em 9%, à incerteza política decor-rente do risco de impeachment da presidente Dilma Rousseff e à redução de investimen-tos de grandes conglomerados em vista das investigações contra a corrupção.

EXTRA COMUNICA - Hugo Paulo Gandolfi de Oliveira-Jornalista/MTE4296RS - 12/02/16

Veja também

Inspeção veicular orienta sobre riscos em automóveis22/09/16Iniciativa, que tem a participação do Simec, mostra importância da revisão preventiva      Neste sábado, 24 de setembro, será possível fazer inspeção veicular gratuita no centro de Chapecó para checar itens de segurança que são importantes para a prevenção de acidentes. A Inspeção Veicular Gratuita (IVG), em sua 14ª edição, será realizada pelo Núcleo Setorial de......
Ações do Observatório Social apresentadas à diretoria do Simec28/09/17 As atividades que o Observatório Social de Chapecó realiza foram apresentadas na manhã desta quinta-feira, 28 de setembro, em reunião da diretoria do Sindicato das In-dústrias Metalúrgicas, Mecânica e do......
Fiesc apresenta carta da indústria a candidatos15/08/14      A Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc) divulgou uma carta em que apresenta reivindicações para os candidatos ao governo do Estado. O texto questiona quais medidas podem ser adotadas com......

Voltar para (Notícias)